skip to Main Content
O Exemplo De Davi

O Exemplo de Davi

“ Então, Davi consultou a Deus, dizendo: …” (I Cr.14.10).

O homem que foi considerado “…segundo o coração de Deus” (At 13.22) reconhecia que tudo o que acontecia em sua vida era da parte de Deus; “Reconheceu Davi que o Senhor o confirmara rei sobre Israel. ” (I Cr 14.2).

Relembrando quais eram os homens que faziam parte do exército do Rei Davi; Em I Sm 22.2; “Ajuntaram-se a ele todos os homens que se achavam em aperto, e todo homem endividado, e todos os amargurados de espírito, e ele se fez chefe deles; e eram com ele uns quatrocentos homens. ” Em II Sm 23.8; “São estes os nomes dos valentes de Davi: Josebe-Bassebete, filho de Taquemoni, o principal de três; este brandiu a sua lança contra oitocentos e os feriu de uma vez.9Eleazar, filho de Dodô,…se levantou e feriu os filisteus, até lhe cansar a mão e ficar pegada à espada;… 12Sama, filho de Agé,…pôs-se Sama no meio daquele terreno, e o defendeu, e feriu os filisteus; e o SENHOR efetuou grande livramento. 
Em I Cr.12.2; “Tinham por arma o arco e usavam tanto na mão direita como da esquerda em arremessar pedras com fundas e em atirar flechas com o arco.  …8Dos gaditas passaram-se para Davi à fortaleza no deserto, homens valentes, homens de guerra para pelejar armados de escudo e lança; seu rosto era como de leões, e eram eles ligeiros como gazelas sobre os montes.14estes, dos filhos de Gade, foram capitães do exército; o menor valia por cem homens, e o maior, por mil”.

Um Rei com um poderio de guerreiros como estes homens seria até justificado o pensamento de ir para uma batalha já convicto que sairia vitorioso. 
Davi não contava com seu exército de “cara de leões”, a força dos “leões” não era suficiente para Davi. Um Rei que não contou com a força do braço humano. O homem que agradou a Deus primeiramente pensava em Consultar a Deus. Diante do inimigo e das batalhas ele sempre buscava uma direção de Deus, as estratégias eram dadas por Deus e não pelos seus próprios pensamentos ou seus comandantes.

A Bíblia em I Cr 14.8-17 diz que diante dos filisteus já preparados em posição de guerra, Daví buscou “consultar” a Deus, assim o próprio Deus manda marchar, …10Respondeu o SENHOR; Sobe, porque os entregarei nas tuas mãos”.  Obedecer de Davi foi imediato, sem questionamentos, sem analisar os fatos. A obediência à Palavra de Deus tem que ser imperativa.
Vemos a obediência inquestionável de Davi não só nesta batalha, como e porquês nunca foram interrogativas diante de Deus nos lábios de Davi. Nesta passagem Davi consulta a Deus por duas vezes, diante do mesmo inimigo. Veja que o Rei poderia ter agido pelo seu conhecimento de guerra, estratagemas dos soldados, comandantes e capitães, ele já havia acabado de derrotar o inimigo numa batalha, mas, ele só venceu definitivamente os filisteus dando ouvidos à voz de Deus. 
É quando Deus muda os planos e manda-o rodear agora por detrás das amoreiras, não da mesma forma, mas por outro caminho e Davi novamente obedece literalmente e obtém mais uma vitória.

Diferente do primeiro rei de Israel, Saul que precedeu ao Rei Davi, agindo segundo o que achava estar certo, sem conselheiros, sem direção, movido pelos seus próprios pensamentos e impulsos. “…eu disse comigo;…”  (I Sm 13:12) é reprovado por Deus e destituído do trono.

Podemos aprender com o Rei Davi a buscar em Deus direção para a vida, diante de circunstancias, problemas, adversidades pedirmos ao Senhor Jesus um sinal por onde começarmos a resolver as questões que nos rodeiam. Um conselheiro fiel a Palavra (Pv. 11.14) poderá nos guiar e abrir-nos os olhos para àquilo que em meio ao problema não estamos enxergando.

 É através da Palavra de Deus que é “…lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho” (Sl 119.105) que devemos conduzir a nossa vida. Colocarmos a luz das Escrituras e sermos conduzidos pelo Espírito Santo que nos assiste e nos conduz não somente nos dando vitorias, mas sobretudo em meio as lutas nos encaminhando à vida eterna.
O Rei submisso ao Rei dos Reis reconhece que todas as vitórias não eram pela força do seu exército ou a sua inteligência, mas; “…e disse: Deus, por meu intermédio, rompeu as fileiras inimigas diante de mim, como quem rompe águas”. (I Cr 14.11).
Toda a glória é de Deus, é Dele que vem a força, o poder. É Ele que dá a direção certa, pois só Ele é o caminho.  As vitórias na vida do cristão devem ser atribuídas somente à Deus, É Ele que faz abrir as águas e faz passar o seu povo.
À Ele seja a honra e o louvor pelo século dos séculos. 
Amém. 

A Paz seja com todos.

JF

 

Compartilhe nas Redes Sociais
Back To Top