skip to Main Content
Relacionamentos

Relacionamentos

“Se procederes bem, não é certo que serás aceito? ”. (Gn 4:7)

Família é relacionamento. Em um mundo totalmente hostil a Deus e às coisas de Deus, cultivar uma família se torna o mesmo que uma obra de artífice, e o Escultor na vida do crente é o próprio Senhor Jesus através do seu Espírito guiando, conduzindo, direcionando, dando forma, criando, acrescentando, esculpindo um homem e uma mulher segundo a sua imagem e semelhança no processo de santificação. O Apóstolo Paulo nos diz; “…e estou plenamente convicto que aquele que iniciou boa obra em vós, ha de concluí-la até o Dia de Cristo Jesus. ” (Fp 1:6).

Ter um coração segundo o coração de Deus nos faz pessoas mais humanas, compreensivas, amáveis e sociáveis.

Como ter um relacionamento familiar estável se por dentro, no interior do ser humano, há raízes profundas de dores passadas, feridas ainda abertas, amarguras, mágoas antigas, inimizades, divisores de águas, barreiras intransponíveis que foram colocadas há anos que se tornaram verdadeiras muralhas.

Vamos ao texto em Gênesis:
3Passado o tempo, Caim apresentou alguns produtos do solo, em oferenda ao SENHOR. 
4Abel, por sua vez, ofereceu as primícias e a gordura de seu rebanho. Ora, o SENHOR aceitou com alegria a Abel e sua oferta. 
5Todavia, não se agradou de Caim e de sua oferenda; e, por esse motivo, Caim ficou muito irado e seu semblante assumiu uma expressão maligna. 
6Então o SENHOR abordou Caim: “Por que estás furioso? E por qual motivo teu rosto está transtornado? 
7Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Entretanto, se assim não fizeres, sabe que o pecado espreita à tua porta e deseja destruir-te; cabe a ti vencê-lo!”
8Contudo, propôs Caim a seu irmão Abel: “Saiamos, vamos ao campo!” E, quando estavam no campo, aconteceu que Caim se levantou contra Abel, seu irmão, e o matou.
9Então o SENHOR inquiriu Caim: “Onde está teu irmão Abel?” Retrucou Caim: “Não sei; acaso sou eu o protetor do meu irmão?” 10Exclamou o SENHOR: “Que fizeste? Ouve! Da terra, o sangue do teu irmão clama a mim. (Gn 4.KLA).

Ensinamentos que temos a partir deste relato bíblico referente a relacionamentos dentro da família:

1º- Caim não tinha problemas com o pai e sua mãe e nem com o irmão, então o problema de Caim não era “outra pessoa”. Nem sempre o motivo do conflito ou o problema surge por causa do outro ou por outro.

2º- Ele deixa que a inveja tome conta do seu coração, “…irou-se, pois, sobremaneira, …” v.5 Abel oferece uma oferta que foi aceita por Deus mas leia o texto atentamente e é Abel que é aceito por Deus primeiro; “4 Ora, o SENHOR aceitou com alegria a Abel e sua oferta.”   Caim foi movido por um sentimento de inveja do irmão e isso o transtornou, mudou o seu semblante, até que expôs, demonstrou sua indignação por Deus ter aceitado a Abel e não a sua pessoa. Ser o que Abel era, fazer o que ele fazia era também o que aumentava ainda mais as barreiras entre estes irmãos.
A inveja de ter o que o outro tem, de ver e sorrir pela alegria do outro, de aplaudir o sucesso do outro, não ser e não se comportar como o outro traz incomodo àquele que ainda não conhece a Deus. Há muitas pessoas amarguradas, magoadas e chateadas, com o semblante caído por sentimentos iguais o de Caim.
Aceitar o melhor para o outro e se contentar com o que possui, querer o bem-estar do outro (próximo) e entender que o que vem de Deus é o suficiente faz com que haja compreensão, amizade, compartilhamento entre a família. Assim seremos aceitos por Deus e o convívio se torna saudável.

3º – O problema de Caim não era o irmão e nem a oferta do irmão, seu primeiro problema era o coração maligno. O próprio Deus diz; “…Se, todavia, procederes bem, não é certo que serás aceito?…” v.7. O procedimento de Caim era mal, seus desígnios eram maus, um coração corrompido traz consequências drásticas para a família.

O Senhor Jesus reunindo novamente a multidão passa a ensinar-lhes a respeito do que contamina o homem; “…21Pois é de dentro do coração dos homens que procedem aos maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os furtos, os homicídios os, adultérios, 22as ambições desmedidas, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a difamação, a arrogância e a insensatez. 23Ora, todos esses males procedem do interior, contaminam a pessoa humana e a tornam impura.” (KJA).

O caminho deste homem não era bom, caminhos de morte (Jd 11), Caim era do maligno diz a Bíblia, I Jo 3:12 “…E não sejamos como Caim, que pertencia ao Maligno e assassinou seu irmão. E por que o matou? Porque suas obras eram más e as de seu irmão eram justas.

Quando Deus pergunta à Caim “…Por que estás furioso? E por qual motivo teu rosto está transtornado?” v.6 é para mostrar ao homem que nada está oculto aos teus olhos, o Deus que sonda e esquadrinha o coração, conhece a intenção do coração humano. O rosto demonstra o que está no coração; “A alegria do coração ilumina todo o rosto, mas a tristeza da alma abate todo o corpo.” (Pv.15:13 KJA).

Esta é a base de todo relacionamento familiar, seja com o marido ou a esposa, seja com os filhos ou com os parentes, um coração segundo o coração de Deus, como o rei Davi; “… o SENHOR já escolheu um homem segundo o seu coração,”. (I Sm 13:14 KJA)

Não pode haver relacionamento sadio com um coração sujo, carregado de velharias, imundo pelas mágoas e maus desígnios. Muda-se o coração muda-se o comportamento, o convívio, o entendimento, os pensamentos, há uma transformação de dentro para fora.

Saber perdoar, compreender, entender o próximo faz parte dos bons relacionamentos, nem sempre a razão está conosco, nem sempre acertamos, não há perfeição em homem algum, então, porque cobrarmos perfeição e acertos do companheiro sabendo que estamos sujeitos aos mesmos erros?

Você pode pegar uma folha agora e escrever alguns erros do seu cônjuge, se lembrar?

Agora, faça uma lista das coisas boas, das qualidades.

Já se perguntou porque é mais fácil lembrar dos erros do que dos acertos e das coisas boas? Compare-as, mas lembre-se: “Como está escrito: “Não há nenhum justo, nem ao menos um;” (Rm 3.10) e “…se alguém se considera importante, não sendo nada, engana a si mesmo. Mas cada indivíduo avalie suas próprias atitudes, e, então, saberá como orgulhar-se de si mesmo, sem viver se comparando com outras pessoas. Portanto, cada um deve levar seu próprio fardo. Colhemos aquilo que semeamos. ” (Gl 6.3-5 / KJA)

Você pode dizer agora que só ele ou só ela está errada(o)? Uma análise verdadeira, em termos bíblicos, uma confissão aos pés do Salvador pode ser o início de uma verdadeira reconstrução no casamento, no relacionamento marido/mulher e com os filhos.

Se por um lado o relacionamento depender de nós, sejamos construtores de pontes que ligam famílias, que unem vilas, cidades inteiras, corredores que levam a caminhos planos, caminhos de vida e não de morte. Caim foi instrumento de rebelião, morte e separação da sua família. Que você possa ser o instrumento de benção para levar a Palavra de vida a toda sua casa.

Nunca é tarde demais para acertos e concertos, principalmente entre o casal e entre os da família. Saber perdoar, saber dar uma palavra amiga, saber compreender, dar um telefonema e um oi e lembrei de você, um sorriso, um abraço, um “eu te amo” faz toda a diferença com o cônjuge, com o filho, com o parente. Você já fez isso hoje, esta semana, este mês, este ano? É momento de reconstruir os laços familiares.

A paz do Senhor Jesus esteja no seu coração!

Pr. Marcos Magalhaes

 

Compartilhe nas Redes Sociais
Back To Top
Secured By miniOrange